HOME > DESTAQUES > As melhores séries de 2019
As melhores séries de 2019

As melhores séries de 2019

Continuamos nossas listas de melhores de 2019! Dessa vez selecionamos as séries de TV que mais marcaram o ano. Veja nossas favoritas abaixo!

WATCHMEN

Surpreendente em todos os sentidos, vale a pena assistir independente se você já era fã dos quadrinhos ou pretende começar por aqui mesmo. Damon Lindelof de volta à TV, com toda a liberdade que poderia ter, explorando seu potencial por completo – Aline Diniz

Recebi a série com certo receio, especialmente por ser fã da graphic novel, mas o resultado foi muito melhor do que eu poderia imaginar. Damon Lindelof entendeu quem são Ozymandias, Doutor Manhattan, Sister Night e até Rorschach, cuja figura ganha um novo significado muito coerente. O episódio final foi o mais fraco da temporada, mas a narrativa da série tem um crescendo tão incrível que isso não tira em nada o mérito. Watchmen me fez rir e chorar em meio ao caos que foi 2019 – Camila Sousa

Eu sou um grande defensor de Watchmen e acredito que a HQ nunca deveria ser adaptada a nenhuma outra mídia – simplesmente porque o quadrinho é perfeito. Porém, felizmente, fui surpreendido com os caminhos que a série tomou e me diverti bastante com essa temporada. Ela tem problemas (o episódio 7 é especialmente fraco), mas tem grandes momentos como o episódio 6 e o episódio 8. Apesar do final ter me incomodado um pouco, gostei bastante do resultado final – Fábio Gomes

FLEABAG – 2ª TEMPORADA

2019 foi o ano de Phoebe Waller-Bridge, que foi de estrela em ascensão a força de peso no entretenimento. A segunda temporada de Fleabag representa o ápice de seu talento. Em meros seis episódios a roteirista/atriz entrega comédia humana, drama impactante, e arcos narrativos intrigantes – sempre com escrita afiada. O episódio que abre o ano dois, pelo seu ritmo, edição e humor ácido, é facilmente o melhor capítulo da televisão no ano, e isso diz muito vendo o altíssimo nível da competição. – Arthur Eloi

Essa altura você já deve ter ouvido muitos comentários elogioso sobre Fleabag e todos eles estão certos. Phoebe Waller-Bridge é uma das melhores roteiristas em atividade e nenhum diálogo desse ano tem o mesmo impacto que “eu te amo”, “vai passar” – João Filimas

A segunda temporada da série melhorou tudo o que a primeira já tinha de forte, emocionalmente e comicamente. É o grande representante de uma safra de mulheres que tomaram a dianteira do humor que se faz na televisão, que inclui de Boneca Russa a Maravilhosa Sra. Maisel. O panorama das séries de TV seria muito diferente hoje sem essas criadoras e atrizes – Marcelo Hessel

Phoebe Waller-Bridge é um dos rostos de 2019 e a segunda temporada de Fleabag é uma das razões para isso. Viciante, os novos capítulos apresentam uma trama envolvente, que efetivamente amadurece sua personagem – não porque ela toma decisões mais adultas, embora isso de fato aconteça, mas porque Waller-Bridge fez o que parecia difícil e elevou a série para outro patamar. O primeiro episódio sozinho merecia um prêmio por si só: PER-FEI-TO – Mariana Canhisares 

Meu voto estava indo para Watchmen quando me lembrei que a segunda temporada de Fleabag veio este ano. Ao contrário da adaptação da HBO, que teve um final apenas bom, a série de Phoebe Waller-Bridge foi perfeita do início até em seu final – realmente aberto e inesperado – Marcelo Forlani

BARRY – 2ª TEMPORADA

A ideia absurda de um assassino de aluguel abandonando a vida sangrenta para se tornar um ator deu muito certo, graças ao talento de Bill Hader e ao timing cômico impecável do roteiro. O episódio “ronny/lilly”, em que Barry e Fuches são perseguidos por uma jovem prodígio das artes marciais talvez seja uma das histórias mais engraçadas dos últimos anos – Nicolaos Garófalo

YEARS AND YEARS

No ano de excelentes minisséries, como Chernobyl, Olhos que Condenam e Watchmen, a tendência foi falar sobre as mentiras, o racismo e os grupos supremacistas da sociedade atual através de eventos do passado e do realismo fantástico. Years and Years, por outro lado, coloca um espelho sobre o presente ao especular um futuro muito próximo, em um universo factual. Mais uma vez, aqui ordem é soar um alarme explícito, fora das entrelinhas e sem a sutileza da metáfora – Lucas Zacarias

PRIMAL

2019  foi, para mim, o ano das animações, pois a diversidade de produções feitas com uma qualidade artesanal e tão minuciosa foi absurdamente significativa. Uma dessas produções foi Primal. A série conta a história de um homem das cavernas e um tiranossauro que passam por traumas muito semelhantes e são obrigados pelas circunstâncias a ficarem juntos. Uma história de amizade e respeito que se desenvolve num mundo completamente hostil e fantástico.  A animação é extremamente brutal e beira o gore, que é muito bem equilibrado por Genndy Tartakovsky e mostra uma evolução narrativa voltada para o público adulto aprendida com a produção da última temporada do desenho Samurai Jack. Para um diretor com tantos sucessos na carreira, como Laboratório de Dexter e Star Wars – Clone Wars, que são voltados para o público infantil, se arriscar numa narrativa totalmente nova foi um acerto muito grande e mostra muito a evolução de seu trabalho – Luiz Torreão

CHERNOBYL

É quase impossível escolher entre Fleabag e Chernobyl, principalmente porque são duas séries totalmente diferentes e igualmente incríveis. Fico com Chernobyl por questões pessoais de amor à história e aos atores, e porque me dá brilho no olhar ver o comprometimento da produção em criar algo tão humano, tão não maniqueísta, sobre uma nação que já foi tantas vezes estereotipada nas telas. – Julia Sabbaga

BONECA RUSSA

Leslye Headland, Natasha Lyonne e Amy Poehler criaram uma série surpreendente partindo de uma premissa batida – o dia que se repete – sem perder a mão em nenhum momento ao longo dos seus 8 episódios. Também protagonista, Lyonne é uma força bruta, desprezível e carismática na mesma medida, perfeita no papel da cínica Nadia Vulvokov. A trilha e o visual da série acompanham o experimentalismo narrativo, fazendo de Boneca Russa uma das grandes surpresas do ano – Natália Bridi

STRANGER THINGS 3

Apesar de ser suspeita para falar de Stranger Things, a 3ª temporada da série se transforma mais uma vez e mostra que ainda consegue trazer novidades para os fãs. A dinâmica entre os personagens, as referências a cultura pop dos anos 80, tudo isso faz com que a série se torne uma agradável surpresa a cada ano que passa – Juliana Melguiso

OLHOS QUE CONDENAM

Olhos que Condenam é o soco no estômago em formato de minissérie. A série criada, escrita e dirigida por Ava DuVernay trouxe um elenco afinado em uma das histórias mais impactantes do ano. Se o quarto episódio, estrelado por Jharrel Jerome, fosse um filme, facilmente estaria indicado ao Oscar. É uma obra não só importante, como incrivelmente bem-feita – Patricia Gomes

Fonte: Omelete || Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Ir para o topo da página
Pular para a barra de ferramentas