HOME > DESTAQUES > Em 15 dias, pelo menos 10 pessoas prestaram esclarecimentos por ameaças em escolas no RS
Em 15 dias, pelo menos 10 pessoas prestaram esclarecimentos por ameaças em escolas no RS

Em 15 dias, pelo menos 10 pessoas prestaram esclarecimentos por ameaças em escolas no RS

Duas semanas após o massacre na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), onde dois atiradores mataram oito pessoas e depois se suicidaram, mensagens compartilhadas em redes sociais com ameaças de atentados em instituições de ensino gaúchas colocaram pais, alunos e polícias em alerta.

Em algumas situações registradas no Estado houve prisões e apreensões.

Um desses episódios ocorreu em Santiago, onde a Polícia Civil investiga dois casos envolvendo ameaças a estudantes e a estabelecimentos de ensino. Telmo Bitencourt de Brum Júnior, de 42 anos, foi preso na manhã de ontem pela Polícia Civil de Santiago.

Na residência do suspeito foram apreendidos notebooks, pendrives, celulares, CDs e manuscritos. Em seguida, Telmo passou por uma avaliação psicológica e foi internado na ala psiquiátrica do Hospital de Caridade de Santiago. Ele teria algum tipo de psicose, ainda não especificamente diagnosticada.

Em outro caso averiguado, um aluno teria ameaçado uma professora da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI).

Conforme a Polícia Civil, as ameaças seguem um padrão, com o objetivo de gerar pânico nas pessoas. O titular da Delegacia de Repressão aos Crimes Informáticos, delegado André Anicet, afirmou que as investigações apontam que parte das 20 denúncias recebidas nos últimos dias envolve falsas ameaças.

Veja os outros casos

Vacaria – 14 de março

Um adolescente de 14 anos foi conduzido para a delegacia após reverenciar o massacre em Suzano. O jovem da Serra compartilhou na quinta-feira (14) a imagem de um dos atiradores nas redes sociais e, nos comentários, ameaçou funcionários da escola onde estuda. Em depoimento, mostrou-se arrependido e disse que não tinha intenção de fazer nada de mal. Em buscas na casa da família, principalmente no quarto do jovem, nenhum vestígio de crime foi encontrado.

Santa Rosa – 15 de março

Um jovem de 21 anos foi encaminhado à Delegacia de Polícia para prestar esclarecimentos após publicar mensagens em redes sociais fazendo apologia aos atiradores de Suzano. As postagens geraram pânico entre frequentadores da escola de onde ele havia sido aluno. Uma ocorrência foi registrada. A Polícia Civil fez buscas na residência do suspeito e apreendeu livros, celular e uma máscara.

Santa Maria – 16 de março

Postagens com alusão ao massacre de Suzano fizeram o Colégio Militar de Santa Maria reforçar a segurança interna. Um aluno escreveu em rede social “eu sei o real motivo” do ataque. A instituição emitiu comunicado informando que o autor das postagens e seus familiares receberam atendimento da seção psicopedagógica.

Igrejinha – 18 de março

Na segunda-feira (18) mensagens compartilhadas em redes sociais indicavam que um ataque aconteceria em escola do município do Vale do Paranhana. Dois alunos suspeitos de terem enviado as ameaças foram identificados e encaminhados para prestar esclarecimentos.

Candelária – 18 de março

Um rapaz de 24 anos foi encaminhado à Delegacia de Polícia para prestar esclarecimentos após postagem em uma rede social. Na imagem, usava máscara idêntica a de um dos atiradores de Suzano e citava o nome de uma escola do município do Vale do Rio Pardo. Negou que pretendesse atacar o colégio. A máscara, um computador, jogos e celular foram apreendidos para análise.

Palmeira das Missões – 19 de março

A Polícia Civil foi informada sobre fotos suspeitas postadas nas redes sociais de um rapaz, de 23 anos (com uma arma e uma machadinha). Segundo a polícia, ele não possui antecedentes e não frequenta nenhuma escola. No dia 20, os policiais cumpriram mandado de busca na residência do suspeito e apreenderam um computador. Nenhuma arma foi localizada. O jovem foi ouvido e negou ter postado as imagens com intenção de ameaçar a comunidade.

Porto Alegre – 20 de março

Mensagens divulgadas na internet levaram a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) a reforçar a segurança interna do campus do Vale, na Zona Leste. Segundo a Polícia Federal, inquérito foi instaurado e a investigação está em andamento. O órgão atua em parceria com a Polícia Civil na apuração do caso.

27 de março

Mensagens espalhadas em redes sociais citavam a Rede Marista como possível local de ataque. A imagem usada na mensagem, segundo a Polícia Civil, é antiga. Isso leva à suspeita de que se trate de uma falsa ameaça. O caso é investigado. O policiamento foi reforçado nas proximidades de escolas privadas e públicas da Capital.

Roca Sales – 21 de março

Uma aluna de 17 anos foi apreendida pela Polícia Civil  por suspeita de planejar um atentado contra a escola onde estudava no município do Vale do Taquari. Pelo WhatsApp, enviou uma foto com arma e afirmou que faria um massacre. Na residência da adolescente foi apreendida uma pistola calibre 9 milímetros e munição. A investigação apurou que ela reclamava de bullying. Em depoimento, ela negou que fosse fazer o massacre. A jovem foi internada na Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase).

Lajeado – 21 de março

Um ex-aluno de uma escola foi preso no município do Vale do Taquari após uma postagem com ameaça contra a instituição. O celular do suspeito foi apreendido. O rapaz, de 18 anos, foi preso em flagrante por atentar contra a segurança do serviço público.

Santana do Livramento – 26 de março

Um jovem uruguaio, de 24 anos, foi detido após fazer ameaças à direção de uma escola. Ele prestou depoimento na terça-feira (26). Ele teria ameaçado ingressar no local armado. E teria postado nas redes sociais fotos de armas e uma imagem alusiva ao ataque de Suzano. Na tarde de terça-feira, a BM foi acionada até uma escola após uma jovem ingressar no local armada com uma faca. A garota foi encaminhada para atendimento médico, pois estaria em surto.

Caxias do Sul – 27 de março

Na quarta-feira (27), a Polícia Civil cumpriu mandado na casa de uma adolescente que ameaçou matar pessoas em redes sociais. A ação resultou na apreensão de uma besta, uma espingarda de pressão e uma pistola de brinquedo. A jovem será responsabilizada por incitação à violência. Por mensagens, ela convidou amigos a participar do crime e depois se matarem. A adolescente também postou fotos segurando a besta e a espingarda.

Nova Prata – 27 de março

Na Serra, foi feita ameaça pelas redes sociais aos colégios do município. A Brigada Militar remanejou efetivo e reforçou o policiamento em oito locais. A Polícia Civil investiga o caso e tenta identificar um suspeito. A investigação já apurou que a foto divulgada é a mesma que foi enviada para escolas da Capital, porém, editada. Segundo a polícia, o caso não passa de um trote.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Ir para o topo da página
Pular para a barra de ferramentas