HOME > DESTAQUES > Inter sai de Caxias com Nico como meia, Neilton do “Santos”, e um atacante para ser titular
Inter sai de Caxias com Nico como meia, Neilton do “Santos”, e um atacante para ser titular

Inter sai de Caxias com Nico como meia, Neilton do “Santos”, e um atacante para ser titular

Odair Hellmann deixou D’Alessandro em Porto Alegre. No planejamento da comissão técnica colorada, o camisa 10 precisava ser poupado da partida contra o Juventude, em Caxias do Sul. E o treinador colorado pode estar encontrando no trio Nico López, Neilton e William Pottker uma solução de velocidade para o futuro da equipe. 

A vitória por 2 a 1 sobre os donos da casa, com gols de Nico e Pedro Lucas, mostrou um time que cria boas jogadas de ataque, mas que carece alguém superior a Santiago Tréllez no comando do ataque. O sistema defensivo colorado ainda apresentou alguns problemas, com o Juventude chegando com certa facilidade e sendo superior na bola aérea.

O time, porém, já será alterado para o jogo de domingo, contra o Caxias, no Beira-Rio, uma vez que Nico López foi expulso na confusão generalizada iniciada por Luiz Carlos Winck, com o provável retorno de D’Alessandro, além de uma possível chance para o novato Pedro Lucas no ataque.

— Resultado é fundamental, mas é importante a evolução da equipe. Quando você fortalece o jogo coletivo, o jogo individual também aparece. Tudo isto se traduz no bom jogo que fizemos. Foi um jogo consistente e seguro — afirmou o técnico Odair Hellmann. 

O treinador comentou que está realizando mexidas táticas e mudanças de nomes no time pensando na Libertadores, inclusive com a preservação de D’Alessandro:

— Pretendo buscar variação tática, porque a Libertadores é muito estratégia. Nico é um meia porque tem capacidade de articulação. Além disso, é bom finalizador. São importantes estas variações táticas para que possamos usar contra o Caxias e na estreia da Libertadores. Vamos pensando jogo a jogo, caso a caso, para irmos com uma equipe muito forte, independentemente de quem começar o jogo. D’Alessandro é importantíssimo, jogando ou não. Já conversei com D’Alessandro, não serão em todos os jogos que ele vai atuar. Por isso, preciso de um grupo fortalecido, para que aquele que entrar possa dar uma resposta positiva. Está tudo alinhado com D’Alessandro. Quando ele jogar, vai nos ajudar porque ainda joga muito e ainda corre muito. 

Odair também elogiou Pedro Lucas, que possivelmente ganhará de Santiago Tréllez a vaga de centroavante titular.

— Pedro está entrando muito bem nos jogos, fazendo um processo gradativo de evolução. A titularidade ou não será um processo natural, para que seja consistente e que não aconteça por acaso. Estamos tendo muito cuidado com ele, talvez até por isso esteja entrando bem — analisou Odair Hellmann. 

O vice de futebol Roberto Melo também elogiou Pedro Lucas e lamentou a expulsão de Nico:

— É importante ter sequência de vitórias e desempenho. Pedro Lucas entrou bem novamente. A gente sente que ele entra com tranquilidade, teve a felicidade de fazer o gol. Assim como outros garotos, ele está tendo a oportunidade e está aproveitando. Nico estava fazendo um grande jogo, nos fez falta no segundo tempo. Só vi o lance no campo. Foi uma pena, uma infelicidade. Tenho certeza que Nico vai trabalhar bem para que isso não se repita. 

Para Melo, o Inter começou a crescer no Gauchão, mas ainda pode melhorar.

— O treinador está testando atletas e modelos de jogo diferentes. Temos que ter um grupo preparado para o ano todo. Os primeiros resultados não foram bons, mas evoluímos nos últimos dois jogos. A equipe está tendo um entrosamento maior e uma evolução. Ainda podemos melhorar. D’Alessandro vai ser sempre muito importante para a gente. Ele não veio para o jogo, mas treinou em Porto Alegre. O planejamento está dentro daquilo que tínhamos previsto no começo do ano. Não há contratação alguma encaminhada. Não há chegada ou saída ocorrendo — concluiu o vice de futebol colorado.

Já Luiz Carlos Winck, questionado sobre a confusão na partida, se defendeu e negou ter iniciado a briga, e protestou contra a arbitragem. 

— Fiz um movimento, não vi, se não tranco o pé ele (Pottker) me joga de cabeça lá dentro (da casamata). Não teve discussão com Pottker. O Zé Carlos, meu auxiliar, foi me defender. A arbitragem expulsou o meu auxiliar para me expulsar também. Estava na minha área técnica. O pênalti (de Cuesta em Rodríguez) foi claro. Mudaria a história do jogo. Jogamos de igual para igual — disse.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Ir para o topo da página
Pular para a barra de ferramentas