HOME > DESTAQUES > Investigações identificam óleo da Venezuela em praias do Nordeste
Investigações identificam óleo da Venezuela em praias do Nordeste

Investigações identificam óleo da Venezuela em praias do Nordeste

Investigações sigilosas realizadas pela Marinha e Petrobras encontraram petróleo com a mesma “assinatura” do óleo da Venezuela em manchas que se espalham pelo mar na região Nordeste. O poluente já foi identificado em mais de 138 pontos no litoral dos oito Estados da região. Nesta terça-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro disse não descartar que tenha sido uma ação criminosa, mas ponderou que a apuração sobre o caso ainda está em curso. As informações são do jornal Estado de S. Paulo.

Segundo uma fonte da alta cúpula do governo ouvida pela reportagem, trata-se do mesmo tipo de óleo extraído da Venezuela. A conclusão já foi comunicada ao Ibama, órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente. Não é possível dizer que todo o vazamento que atinge as praias do Nordeste tem a mesma origem, mas análises já realizadas em algumas manchas concluíram, com certeza, que se trata de material de origem venezuelana.

O governo tem tratado o tema com total sigilo. A Marinha e a Polícia Federal analisam amostras e ainda não deram informações sobre a origem do acidente. A Petrobras se limita a informar que não se trata de material processado ou comercializado pela empresa.

Nesta terça-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que há a possibilidade de que o derramamento de óleo em praias do Nordeste tenha sido criminoso. Ele, no entanto, ponderou que as investigações ainda estão em curso e evitou comentar sobre o envolvimento de outros países.

A reportagem questionou a Petrobras sobre a possível presença de óleo da Venezuela nas instalações da refinaria Abreu e Lima, estrutura que, em princípio, seria construída com a parceria da estatal venezuelana PDVSA. A Petrobras informou que nunca processou óleo de origem venezuelana em Abreu e Lima, nem mantinha estoque de produtos daquele país em suas instalações.

Por meio de nota, a Petrobras declarou que a análise realizada pela empresa em amostras de petróleo cru encontrado em praias do Nordeste “atestou, por meio da observação de moléculas específicas, que a família de compostos orgânicos do material encontrado não é compatível com a dos óleos produzidos e comercializados pela companhia”.

Os testes foram realizados nos laboratórios do Cenpes (Centro de Pesquisas da Petrobras), no Rio. “Desde 12/9, a Petrobras realizou, por solicitação do Ibama, limpeza de praias que apresentaram manchas de óleo nos últimos dias, nos Estados de Alagoas, Sergipe, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Maranhão, Rio Grande do Norte e Bahia. O trabalho é realizado pelas equipes do Centro de Defesa Ambiental da Petrobras, nas praias indicadas pelo órgão ambiental”, informou.

“A função da Petrobras não é investigar de onde vem o óleo. Nossa preocupação foi se era um óleo produzido ou eventualmente comercializado pela Petrobras. Temos isso bem documentado. Coletamos 23 amostras, nosso centro de pesquisas realizou análises bioquímicas e chegou à conclusão de que não se trata de nenhum óleo produzido e/ou comercializado pela Petrobras”, disse o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, em audiência na Câmara nesta terça.

A reportagem enviou questionamentos à PDVSA, estatal petrolífera venezuelana, mas não obteve retorno até 20h20 desta terça.

Investir em monitoramento

Segundo o professor da Faculdade de Oceanografia da Uerj (Universidade do Estado do Rio), David Zee, o episódio deveria estimular o governo a investir mais em fiscalização. “Poderia aproveitar esta experiência e pensar preventivamente no planejamento de um amplo programa de monitoramento estratégico principalmente em regiões sensíveis, frente a desastres naturais, além da vigilância para segurança a navegação e comércio exterior”, avalia.

“Pela quantidade espalhada, pode até ser a carga completa de um petroleiro”, afirma Zee. Para o especialista, “o mesmo que o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, órgão vinculado ao Ministério da Ciência) faz com a Amazônia deveria fazer com a Amazônia Azul.”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Ir para o topo da página
Pular para a barra de ferramentas