HOME > NOTÍCIAS > Polícia pede apreensão de adolescente suspeito de participar de massacre em Suzano
Polícia pede apreensão de adolescente suspeito de participar de massacre em Suzano

Polícia pede apreensão de adolescente suspeito de participar de massacre em Suzano

Outro adolescente de 17 anos seria o terceiro envolvido na elaboração do massacre na escola de Suzano, na Grande São Paulo, na manhã de quarta-feira (13), segundo o Delegado-Geral da Polícia Civil, Ruy Ferraz Fontes.

O delegado afirmou, em entrevista coletiva, na tarde desta quinta (14), que a polícia pediu à Justiça a apreensão do adolescente. Fontes não deu detalhes da participação do adolescente, apenas disse que ele ajudou na elaboração do crime. O jovem seria colega de classe de Guilherme Taucci Monteiro, 17 anos, um dos autores do ataque. O outro é Luiz Henrique de Castro, 25 anos.

Os dois mataram cinco alunos, duas funcionárias e um empresário na escola estadual Professor Raul Brasil. Outras 11 pessoas ficaram feridas. Após os crimes, um assassinou o outro e cometeu suicídio.

Ainda de acordo com Fontes, os assassinos se inspiraram no massacre de Columbine, ocorrido em 1999, nos Estados Unidos. A dupla usou um revólver, carregadores, uma arma medieval e uma machadinha.

Antes do ataque na escola, mataram o tio do adolescente. Morreram os estudantes Kaio Lucas da Costa Limeira, Cleiton Antonio Ribeiro, Caio Oliveira, Samuel Melquiades Silva de Oliveira e Douglas Murilo Celestino e as funcionárias Marilena Ferreira Umezu e Eliana de Oliveira Xavier.

O crime ocorreu em meio ao debate sobre posse de armas e chama a atenção por ter sido cometido em dupla e longamente planejado. O presidente Jair Bolsonaro lamentou o atentado seis horas após ocorrido.

Segundo um policial que acompanha o caso, o ataque vinha sendo planejado há cerca de um ano e meio. A Polícia Militar (PM) chegou à escola Professor Raul Brasil em Suzano, região metropolitana de São Paulo, quando os dois atiradores, ainda faziam os disparos e estudantes deixavam o prédio desesperados.

Segundo o comandante-geral da PM, Marcelo Vieira Salles, ao que tudo indica, “quando eles [atiradores] viram a Força Tática, entraram para dentro um corredor e um atirou na cabeça do outro. Depois, esse se suicidou.” Os atiradores são os ex-alunos da instituição.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Ir para o topo da página
Pular para a barra de ferramentas